Estádio do América de Teófilo Otoni vai a leilão

A Justiça do Trabalho de Teófilo Otoni, em conjunto com a leiloeira Thaís Bastos Teixeira, divulgou oficialmente a realização de um leilão presencial e eletrônico do Estádio Nassri Mattar, pertencente ao América de Teófilo Otoni, para amanhã (25), a partir das 10 horas, no Fórum da Justiça do Trabalho da cidade. O leilão tem a finalidade de pagar dívidas trabalhistas do clube, desde 2013, com atletas e funcionários. Conforme a leiloeira, o patrimônio está avaliado em R$ 4 milhões, mas o lance inicial é de R$ 2 milhões. O presidente do clube, João Ângelo (o Jonga), não aprovou o valor do arremate.

Interessados em arrematar o bem patrimonial devem se inteirar dos termos do edital, disponível na unidade judiciária em Teófilo Otoni. São 14.978,34 m², que inclui todas as dependências do Estádio Nassri Mattar, com gramado, arquibancadas, vestiários e demais benfeitorias. De acordo com o presidente do América, as dívidas de administrações passadas estavam acumuladas nos cofres do clube. “Eu aceito essa situação. Os atletas estão certos em buscar seus direitos. Infelizmente, o clube não teve condições de arcar com as despesas”, lamentou João Ângelo, que assumiu a presidência do clube em 2015.

Sobre o leilão, o presidente do América alerta que o estádio foi tombado como Patrimônio Histórico e Cultural do Município em 2018. Portanto, o adquirente do terreno fica impossibilitado de mexer em várias partes do imóvel, justamente aqueles que o descaracterizem enquanto motivo pelo qual foi tombado, o esportivo. Ou seja, mesmo que leiloado e comprado, deverão ser mantidos o campo, as traves e as arquibancadas.

Nesse contexto, a direção do clube não se sente ameaçada com o futuro do estádio, que pode ser usado pelo América no ano que vem para a disputa da 2ª Divisão do Campeonato Mineiro. “Como o estádio é tombado como Patrimônio Histórico e Cultural do Município, acredito que ninguém vai querer investir no terreno. Pode até comprar, mas ficará limitado diante das leis. Mesmo que seja leiloado, o clube teria a alternativa de alugar o estádio para jogos oficiais no Campeonato Mineiro. Agora, se tivesse um clube que fosse rival do América aqui na cidade e arrematasse o imóvel, seria um problema para nós”, disse.

Valor seria de R$ 12 milhões

João Ângelo discordou da decisão judicial que manteve a avaliação do patrimônio em R$ 4 milhões, sendo que o valor inicial do lance no leilão é R$ 2 milhões. “Um clube que tem um terreno localizado em uma das áreas mais nobres da cidade, com uma avaliação máxima de R$ 4 milhões, é uma mixaria. Acredito que deveria ser no mínimo de R$ 12 milhões. Essa avaliação não foi correta, pois o oficial de justiça responsável não teve critério para avaliar de maneira correta. Isso deveria ser feito por empresas especialistas em venda de imóveis. Dentro desse valor não consta o valor histórico do patrimônio do clube, não consta o valor do terreno, dos refletores, que foram caros. Mesmo sendo leiloado e vendido, irei recorrer a todas as instâncias para cobrar o valor justo”, reclamou.

Sede do clube também irá a leilão

Além do Estádio Nassri Mattar, também será leiloada no mesmo dia a sede do América, que fica localizada na rua Renato Simões, no bairro Marajoara. O terreno de 3.963,53m² inclui um salão de eventos e uma piscina. A avaliação do lote é de R$ 1,3 milhão, com valor mínimo de R$ 650 mil para o primeiro lance. Diferentemente do estádio, João Ângelo disse que a sede não é patrimônio histórico do município. “A sede não é tombada. Teve um movimento político na cidade para aprovar um projeto de tombamento de tal forma que, mesmo trocando de proprietário, fique impedido de perder todos os seus equipamentos”, comentou.

A equipe de reportagem do DIÁRIO DO RIO DOCE não conseguiu entrar em contato com a Secretaria Municipal de Cultura e Patrimônio Histórico de Teófilo Otoni para se manifestar sobre o assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: