No Náutico, atacante Rafael Oliveira quer reeditar boa parceria com Roberto Fernandes

Contratado com o know-how de ser um dos principais artilheiros do futebol brasileiro em 2017, com 23 gols marcados pelo Botafogo-PB, o atacante Rafael Oliveira não perdeu tempo no Náutico. Nesta terça-feira, no seu primeiro treino com bola junto ao elenco, já trabalhou na equipe principal reforçando a ideia de que será titular em sua estreia, sábado, diante do Internacional, em Caruaru. Até porque, no clube alvirrubro, o jogador, de 30 anos, irá reeditar a parceria com o técnico Roberto Fernandes, com quem trabalhou junto em 2011, no Paysandu. Ano que o avançado considera o melhor da sua carreira.

Na ocasião, o jogador terminou a temporada com 25 gols, sendo o vice-artilheiro do Campeonato Paraense, com 19 tentos. Marca semelhante a atual, quando foi o goleador máximo do Campeonato Paraibano, com 17 gols. Por conta disso, a presença do treinador foi fundamental para o acerto com o Náutico.
“Fui muito feliz lá no Paysandu, o melhor momento da minha carreira. Lá joguei pelos lados de campo e não fixo na área. O Roberto sabe a forma como gosto de atuar, mas independentemente disso gosto de poder ajudar de qualquer forma. Sendo fixo ou saindo da área”, explicou.
“Tinha outras duas propostas de clubes da Série B. Mas o Roberto me ligou e falou da situação do clube e perguntou se dava para ajudar e se estava com a cabeça boa. Sei da realidade do clube e estou vivendo um bom momento. Fiz bastante gols e espero fazer aqui também. Só depende da gente e estou acreditando na nossa saída”, completou.
Apesar de não querer estipular metas de gols para essa reta final na Série B, Rafael Oliveira sabe que para que o Náutico consiga escapar do rebaixamento ele precisará corresponder as expectativas de gols gerada por conta da diretoria e da torcida. E não fugiu da responsabilidade. A começar pelo duelo de sábado, diante do Internacional.
“Sabemos que vai ser um jogo muito difícil. O Inter é uma grande equipe. Mas o que vai contar muito é a motivação e a vontade de cada jogador. E só de estar empregado e vestindo uma camisa pesada como a do Náutico já me dá a motivação necessária do dia a dia. Sou experiente e vim para ajudar. Sei que podemos sair dessa situação”, finalizou o novo candidato a “homem-gol” do Timbu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: