Al-Sadd perde muitos gols, mas vence na prorrogação e avança no Mundial de Clubes

Em um jogo com grande interferência do árbitro de vídeo, o Al-Sadd precisou da prorrogação para derrotar o Hienghene por 3 a 1, depois de empatar em 1 a 1 no tempo normal, nesta quarta-feira, no Jassim Bin Hamad Stadium, no abertura do Mundial de Clubes. Assim, o time treinado por Xavi Hernández e o representante local do Catar, garantiu vaga na próxima fase. Nas quartas de final, o Al-Sadd vai encarar o Monterrey, do México. O duelo será no próximo sábado, às 14h30min (de Brasília), no mesmo local. O vencedor do confronto vai enfrentar o Liverpool na semifinal.

Já o Hienghene se despede de cabeça erguida. Em sua primeira participação no torneio da Fifa, o modesto time do paradisíaco arquipélago da Nova Caledônia, campeão da Liga dos Campeões da Oceania, foi valente. O elenco amador carece de jogadores técnicos e de organização tática, mas competiu como pôde e, em alguns momentos, chegou a ficar perto de virar o jogo. A partida foi movimentada e aberta muito por conta da fragilidade defensiva dos dois oponentes.

O time de Xavi mostrou maior qualidade técnica e conseguiu construir algumas jogadas interessantes. No entanto, a deficiência na conclusão impediu a vitória no tempo normal. Foram inúmeras oportunidades desperdiçadas ao longo do jogo. Afif, por exemplo, desperdiçou três. Na primeira, construiu uma bonita jogada ao tabelar com Al-Haydos, mas chutou sem direção. Na sequência, na mais impressionante delas, a bola sobrou limpa no meio da área, mas o meia mandou por cima do gol. Depois, ainda saiu de frente para a meta, mas chutou em cima do goleiro.


O meia Hassan al-Haidos comemora seu gol com o companheiro de equipe Nam Tae-hee | Karim Jaafar / AFP / CP

O árbitro de vídeo foi ativo e interveio em seis lances. Confirmou o gol do Al-Sadd, aos 26 minutos do primeiro tempo, anotado por Bounedjah, que estava em posição legal e completou cruzamento de Abdelkarim, e sugeriu ao juiz que revisse a marcação de falta no lance do gol do Hienghene. O árbitro foi ao monitor e acabou mudando de ideia, validando aos dois minutos do segundo tempo o gol do time da Oceania, marcado por Roine, em arremate forte no canto esquerdo do goleiro. Naquela altura, a modesta equipe da Nova Caledônia ameaçava uma pressão.

Além disso, a tecnologia também analisou duas possíveis penalidades e ainda anulou dois gols do Al-Sadd, ambos por conta de impedimento. Na prorrogação, o Al-Sadd, enfim, pôs o pé na forma e construiu o triunfo que poderia ter sido obtido com facilidade no tempo normal. Com muito espaço para atacar, a equipe do Catar fez o segundo com Abdelkarim, em cobrança de tiro livre indireto na área que passou por quase todo os jogadores do time rival, que estavam posicionados em cima da área.

O juiz assinalou o tiro livre dentro da área porque considerou que o domínio errado de Sansot foi um recuo para o goleiro Nyikeine, que agarrou a bola. Na parte final do tempo extra, o time de Xavi, depois de abusar de perder gols, selou o triunfo com Pedro Miguel. O lateral recebeu lançamento na ponta direita, invadiu a área e estufou as redes.

Al-Sadd 3 x 1 Hienghene | Mundial de Clubes 2019

Al-Shebb: Pedro Miguel, Wooyoung, Khoukhi e Abdelkarim; Gabi, Al Haijri (Salman), Akram Afif (Hashim Ali) e Nam Tae-Hee (Asad); Al Ansari (Al Haydos) e Bounedjah.
Técnico: Xavi Hernández.

Hienghene: Nyikeine; Athale, Roy Kayara, Bearune e Dinet; Pedro Vilela (Miguel Kayara), Sansot, Gony, Roine (Matsumoto) e Dahite; Bertrand Kai (Antony Kai).
Técnico: Felix Tagawa.

Gols: Bounedjah (26″/1ºT),  Abdelkarim (9″/1ºTP) e Pedro Miguel (8″/12ºTP); Roine (2″/2ºT
Árbitro: Mustapha Ghorbal (Argélia)
Cartões amarelos: Nyikeine e Bearune (Hienghene)
Público e renda: Não divulgados
Local: Jassim Bin Hamad Stadium, em Doha, no Catar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: