Morre Cilinho, ex-técnico do São Paulo responsável pelos Menudos do Morumbi

Resumo da notícia

  • Ex-treinador tinha 80 anos e vivia em Campinas; em 2018, ele chegou a sofrer um AVC
  • Cilinho teve carreira de destaque no futebol paulista entre as décadas de 1960 e 1990
  • Ao longo da trajetória profissional, passou por clubes como Santos, Corinthians, Ponte Preta, Portuguesa e XV de Jaú, entre outros
  • Suas principais conquistas vieram pelo São Paulo, pelo qual foi campeão paulista em 1985 e 1987
  • Morreu hoje, na cidade de Campinas, o ex-técnico de futebol Cilinho.
  • De acordo com informações da Setec, o ex-treinador de 80 anos – que chegou a sofrer um AVC em 2018 – faleceu na própria casa. O órgão, responsável pela remoção do corpo, não divulgou informações a respeito de velório ou sepultamento. Nascido em Campinas no dia 9 de fevereiro de 1939, Otacílio Pires de Camargo teve grande destaque como treinador entre as décadas de 1960 e 1990, especialmente no futebol paulista. Passou por clubes como Santos, Corinthians, Ponte Preta, Portuguesa, Paulista de Jundiaí e XV de Jaú, entre outros. Seu principal momento veio, no entanto, no São Paulo. Pelo clube do Morumbi, foi duas vezes campeão paulista, em 1985 e 1987, contando com um elenco ,

    contando com um elenco formado majoritariamente por jovens jogadores – destaque para Müller, Silas, Pita, Careca e Sidney, entre outros nomes. O time ganhou o apelido de “Menudos do Morumbi”, em referência ao grupo musical Menudo, sucesso a partir do fim da década de 1970.

    https://i1.wp.com/s2.glbimg.com/7jSMIBXa72h1NPCbwpwp70XJ6tQ=/0x0:450x331/1000x0/smart/filters:strip_icc()/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2015/05/20/arq_133678.jpg?w=800&ssl=1

O trabalho no São Paulo foi marcante a ponto de criar uma fama de Cilinho sempre trabalhar com jovens. Apesar do destaque na década de 1980, o técnico campineiro nunca teve a chance de dirigir a seleção brasileira, mesmo sendo cogitado para o cargo. A vida de Cilinho seguiu por outros caminhos.

Foram ao todo nove passagens pelo Moisés Lucarelli: 1965, 1967-68, 1968, 1970-72, 1974, 1979, 1983-84, 1987 (quando trabalhou, entre outros, com o meia Raí, então no início da carreira) e 1995. É, até hoje, quem mais dirigiu a Ponte na história: 345 partidas. Entre uma e outra passagem pela Ponte, Cilinho treinou Portuguesa, Sport, Comercial, XV de Jaú e Santos, entre outros.

Em 1989, comandou o Guarani, de onde saiu para ser vice-campeão paulista com o Corinthians, em 1991. Passou ainda por Portuguesa, Bragantino, XV de Jaú, São José e América-SP nos anos 90. Em 2011, voltou ao futebol para comandar o Rio Branco, mas a passagem pelo time de Americana durou poucos meses, até fevereiro de 2012, quando pediu demissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: